Entrevista exclusiva com a banda HERESIA de Palmas/TO

Heresia no Burrada Festival- edição Metal 2013
Se o nome de uma banda tocantinense chamada “Heresia” nunca foi ouvido ou lido em nenhum lugar por você, saiba que se trata da ‘ Equação’. Com exclusividade ao Inforock, a banda revelou a mudança de nome, pois de acordo com o vocalista, Adriano, “Não adianta termos um som um trabalhado e o nome ‘Equação’”.  

Formada pelo vocalista e guitarrista Adriano, o guitarrista Weslley, o baterista Maurício e Mykael no baixo, a Heresia toca um som pesado, voltado para o metal com influências do hardcore. No dia da entrevista a seguir, eu conferi o ensaio da banda já com a mudança de nome e som, e posso dizer que o som está mais maduro, com influências extremas e que a Heresia está pronta para novos desafios no mundo musical.

A seguir, eles contam como iniciou a banda, desafios, novidades sobre o EP de estreia e muito mais.

Início

Inforock: Gostaria que vocês contassem a ideia de criar a banda, sobre a primeira apresentação e como era o som da banda no início.

Adriano: A banda começou com o Wesley e eu. A gente teve o projeto com a Saporra e a Ópio com os amigos para poder entrosar mais o som. Aí veio a Equação que teve na primeira formação, eu, Adriano no vocal, Wesley na guitarra, Maurício na bateria e o Yuri no baixo.

Primeira formação da banda ainda com o nome "Equação". Foto: Patricia Vera
A primeira apresentação da gente foi no evento A Próxima é Minha e naquele tempo a gente ainda estava tocando muito cover. Estava bem hardcore no começo.

Aí depois o Yuri saiu da banda por causa de indisponibilidade de horário, aí a gente colocou o Micael e começou a tocar um ‘trem’ mais pesado, foi pesando mais e tirando músicas novas. Começamos a banda mais para brincar, depois fomos vendo que ia dar futuro e levamos mais a sério. Conforme a gente foi levando a sério, a gente foi melhorando no som. Investimos  mais em melodia, em voz. Comecei a estudar mais vocal, porque até então eu não sabia cantar gritando, enrolava um bocado. Estudei mais isso e fomos deixando o som mais pesado.

 Influências

Inforock: Quais foram as bandas que mais influenciaram no som de vocês?

Adriano: No começo foi Raimundos e indiretamente foi Matanza, porque a gente tocava cover deles e tentava fazer alguma coisa parecida. 

Weslley: O que a gente toca hoje não é o que a gente escolheu no início.

Maurício: System of a Down também. 

Adriano: A gente fazia a estrutura musical e sem perceber estávamos copiando a estrutura musical do System. Muita quebrada de tempo do System. Desde moleque eu aprendi a ouvir rock com System, o Weslley com muito Lamb of God e a gente ouve muito punk e hardcore . 

No começo da banda, éramos mais influenciados pelo hardcore mesmo, depois a gente foi ouvindo Hatebreed, Lamb of God, Suicide Silence, essa coisa mais nova. A gente pega algumas influências de algumas coisas mais antigas e tenta inovar, porque se a gente só tentar copiar o que tem aí não rola.

Vocalista Adriano

Composições

Inforock: Falem sobre a primeira e a última que vocês fizeram, explicando a diferença entre elas com a evolução da banda.

Adriano: A primeira foi “ Equação”, a gente não tinha nome para colocar na banda e escolheu o nome da música. Tínhamos cinco minutos para fechar uma inscrição num evento e não tínhamos nome e tinha uma música feita, aí colocamos Equação. A música fala sobre nosso ponto de vista religioso e político. Era bem simples, três notas, com pouca variação, bem puxado para o punk. Não era bem o estilo, mas a estrutura da música punk, mais seca e simples, vocal limpo, só para fazer o som mesmo. Na verdade não era tão sério, a gente só queria tocar o que a gente dava conta de tocar.

Hoje a gente já apanha para fazer as músicas. A última música que a gente fez junto foi “Liberdade Assistida”. A letra demorou a ser feita e fala também sobre pontos de vista religioso e político. Deu até briga no Facebook, porque eu postei a letra lá e teve gente que discordou e deu briga com um monte de comentários. A melodia é mais trabalhada, muito contratempo na bateria, ritmo que a gente não costumava usar e um vocal mais extremo. Foi uma das primeiras músicas que consegui alcançar o vocal mais extremo, mais agudo. Tipo do mais agudo ao mais grave. Foi essa última que a gente fez e é a nova cara da banda que a estamos querendo deixar. Letra mais complexa, fazendo um protesto mais sensato, porque na minha opinião, não adianta protestar sobre política, governo, se o erro está em cada um.

Inforock:  E além da política e da religião, o que mais abordam nas músicas?

Weslley: Raiva, dor que o ser humano sente e a depressão.

Adriano: Na verdade, a gente fala muito sobre sentimento, só que mais sentimento de raiva. Tento passar o máximo de revolta, de raiva que eu conseguir na letra sem perder o foco.

Maurício: Eu já gosto de escrever nas letras sobre tudo de ruim que há na sociedade, é o que mais falo.

Eventos de Rock

Inforock: Sobre as participações em eventos como o Burrada Festival, Sexta Metal, A Rua se Mistura e outros eventos desde o início em 2012, o que vocês perceberam do público presente nos shows e da evolução da banda?

Adriano: A gente pensou o seguinte, se estivermos tocando bem, a galera vai começar a chamar a gente para os eventos. Aí começou aparecer oportunidades, tocamos e a galera começou a gostar. Tocar no Tendencies (Inforock: Casa de shows em Palmas) foi ótimo para nós. Não tivemos uma boa apresentação na primeira vez e até conversamos bastante, vimos as falhas e tudo, e sempre prestando atenção no público. O Weslley é o que mais presta atenção no público e fala coisas que não percebemos, tipo “ olha, a galera não gostou disso da música” ou “ isso aqui que a gente fez foi estranho” e essas apresentações serviram para isto, crescer com os erros.

 No Parque Cesamar ( Inforock: evento “Palmas, Capital da Alegria” da Prefeitura de Palmas ocorrido em 2013) foi a pior apresentação, mas a gente reviu vários erros que estavam na cara e não percebíamos. 
Nós nunca tocamos com o setlist feito, a gente tocava o que ia lembrando, na raça, aí o Weslley disse para tocar com tudo arrumado e isto serviu para nos ajudar, nos motivar e ver que está dando resultado.

Evento Palmas, Capital da Alegria . Foto: Patricia Vera 

Mudança de nome

Inforock: Gostaria que vocês falassem sobre a mudança do nome Equação para HERESIA.

Adriano: Eu cheguei a pensar no nome “  Extrema Unção”, aí eu queria algo do tipo, mas aí o Maurício falou para não colocar nada relacionado a religião, porque dá críticas demais e outros nomes. Aí a gente decidiu colocar “ Heresia”, que tem mais impacto. Não adianta termos um som um trabalhado e o nome “Equação”, pois a galera pergunta qual o nome e acha que é banda de festa infantil ou que fala sobre matemática. 

Tocamos lá no Pará e um cara , o Babidi da Prozac HC, disse que o som está bom e em outro nível, mas que tínhamos que colocar pedal duplo, mudar o nome e parar de tocar cover, porque não tinha nada a ver com nosso som. Nem pensávamos em mudar o nome nem trocar o estilo, a gente só queria tocar.

Maurício: Pelos toques que íamos recebendo, aí a gente via que tinha que mudar o nome.

Adriano: O Bento ( Mata-Burro/ A Baba de Mumm-ra) também falou para a gente para mudar o nome, para vender mais. Banda de metal com nome de Equação não vende tanto do que um nome mais pesado, mais tenso. Aí esse nome, mesmo que para a gente não seja tão forte, mas para boa parte da população que acredita em um monte de coisas, é forte, é pesado e a gente achou ótimo. A mudança de nome foi mais para impactar. Falo muito sobre Demônios, Deus, Céus, Inferno, apesar de não acreditar, mas isso causa impacto e tem uma simbologia muito grande em cima disso tudo, igual o nome que a gente escolheu “Heresia”.

Cenário

Inforock: Sobre o rock tocantinense, o que vocês acham do cenário?

Weslley: O cenário eu acho massa, tinha muitas bandas massas antes, faltam hoje muitos músicos aqui em Palmas, mas tem bandas muito boas. Faltam mais bateristas e vocalistas.

Maurício: O que está faltando aqui também é a galera se unir mais para sair das “panelinhas”, porque é sempre as mesmas casas de show, seria bom a galera se unir e formar outras casas de show.


Novidades 

Inforock: Para finalizar, quero agradecer por terem cedido um tempo ao blog e pergunto, quais são as novidades da Heresia para o ano de 2014?

Adriano: Estamos terminando de gravar um EP, a gente já captou tudo no estúdio Idea. Já decidimos o nome que será “Peste Religiosa” que terá a imagem tema de um doutor da peste negra. O EP terá 5 faixas e nós vamos soltar logo na internet. A gente também está pensando em fazer camisas e vender, e com esse dinheiro juntar pra fazer mais CDs e videoclipe. Não estou pensando em retorno financeiro para mim, mas para a própria banda e fazer o dinheiro rodar para mostrar mais material, porque tem muita gente que pede vídeo e música, mas não temos dinheiro para fazer. Essas músicas novas também serão lançadas, porque a gente está dando uma nova cara para a banda, mais condizente com o nome.


Contatos:

Facebook / BandProfile / Grupo no Facebook


9 comentários:

  1. Massa pacaramba, então Equação agora é Heresia?

    ResponderExcluir
  2. Isso! Agora eles mudaram o nome da banda para dar mais impacto! \m/

    ResponderExcluir
  3. Da hora a entrevistá!

    ResponderExcluir
  4. muito foda a banda, nome massa agora só faltou o yuri voltar o cara tocava muito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você teve sua chance mano!

      Excluir
  5. Essa banda é porrada, sou fã dos caras.

    ResponderExcluir
  6. Curte pra porra , meu brother Adriano sempre dando o melhor k tem pra fazer um som da hora......

    ResponderExcluir
  7. Te desejo muito sucesso meu brother!!

    ResponderExcluir